Canoa encontrada no Rio Grande do Norte é mais antiga do que o descobrimento do Brasil

gregaeudaimonia.wordpress.com - Canoa Monoxila
FOTOS: Lenilton Lima

Ah, a arte de velejar pelas águas…

Com seu encanto e sedução, o Homem sonha em se aventurar pelos rios, mares, oceanos e coisas do tipo desde que o Mundo é mundo e não apenas isso, mas desbravar rotas marinhas também traz uma caralhada de possibilidades aos Desbravadores de plantão.

As Grandes Expedições estão aí pra provar o que eu digo.

E pensar que tudo isso começou com a boa e velha Canoa. No Antigo Egito (sim, eu tenho que falar do Egito), as canoas feitas de papiro já eram uma sensação entre as pessoas daquela época e a canoa ainda é um recurso bastante interessante atualmente. No Rio Garnde do Norte, foram encontradas quatro canoas cujo uma delas, depois de estudos, é mais antiga do que o descobrimento do Brasil.

Chagas abertas!

gregaeudaimonia.wordpress.com - Canoa Monoxila
Canoa Monoxila

A DESCOBERTA
Por volta de 2013, depois de uma forte estiagem, foram encontradas canoas monóxilas (canoas feitas de um único tronco de árvore) no rio Extremoz (Região Metropolitana de Natal). São quatro canoas encontradas e estudos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mostram que a idade de cada uma delas varia entre 210 e 700 anos.

Cada canoa mais velha do que a outra.

O pesquisador Hamilton Marcelo Morais Lins Júnior, autor de uma dissertação (mestrado) sobre Arqueologia Marítima fez mergulhos na lagoa Extremoz quando da descoberta das canoas em questão.

Depois de estudos baseados no Carbono 14 para datação de uma idade aproximada do artefato, o pesquisador chegou na seguinte conclusão:

  • A Canoa Extremoz 01 tem 230 anos
  • A Canoa Extremoz 02 tem 210 anos
  • A Canoa Extremoz 03 tem 280 anos
  • A Canoa Extremoz 04 tem 700 anos

A canoa de 700 anos é, consequentemente, anterior a data de descobrimento do Brasil, sendo considerada (claro!) o objeto arqueológico náutico mais antigo do país e dizem que ainda há cerca de outras 12 canoas no fundo da lagoa.

gregaeudaimonia.wordpress.com - Canoa Monoxila
As canoas expostas. A maior tem mais de 2 metros

DESCASO!
Apesar de tamanha importância (e relevância) Histórica e Cultural, estes artefatos não receberam o devido tratamento e foram encontrados sem qualquer tipo de cuidado no gramado da entrada da Fundação de Cultura Aldeia Guajiru (região metropolitana de Natal).

As fotos são de Lenilton Lima (fotógrafo e pesquisador), que encontrou as canoas nas condições já mencionadas. O Museu Câmara Cascudo também está cuidando de uma das canoas. Uma reportagem completa sobre o assunto, você encontra no site Tribuna do Norte.

SENTA QUE LÁ VEM A HISTÓRIA…
Segundo o Wikipédia, a região onde fica o lago de Extremoz (litoral do Rio Grande do Norte) foram, inicialmente, habitadas pelos índios tupis e paiacus que viviam às margens da Lagoa de Guajiru. Esta terra foi dada aos Jesuítas  pelo Capitão-mor Jerônimo de Albuquerque.

A ideia era cuidar da aculturação… digo, catequização os Índios.

Aprenda o Mito da Caverna (Platão) com a Turma do Piteco (Mauricio de Sousa)

Eu sempre falo que Mauricio de Sousa é um gênio.

Suas HQs (e ideias de modo geral) levam seus leitores muito mais além do que o simples entretenimento… não sei quanto a essa Nova Turma da Mônica, mas posso responder sobre os quadrinhos mais antigos dele. Hoje vamos aprender, com a ajuda do Piteco, algo sobre a Filosofia do Mito da Caverna (ou Alegoria da Caverna, tanto faz), do musculoso filósofo grego Platão.

O quê?! Você não sabe quem é o Piteco?!

Meus pesames. Enfim, vamos ao que interessa!

MitoDaCavernaPiteco
Clique na imagem para ampliar

Da mesma forma que ocorre na Alegoria apresentada por Sócrates no livro VII do livro A República (Platão escreve o livro, mas quem tá na história é Sócrates), os indivíduos socados no fundo da caverna (presos e imobilizados desde a infância) só sabiam o que se passava fora da Caverna por causa das sombras projetadas no fundo da Caverna (não podiam se mexer, apenas olhar pra frente), então eles entendem as sombras como o “Mundo Real”.

Por exemplo, se alguém passasse na frente da Caverna com um vaso na cabeça, eles não entenderiam que se trata de alguém com um vaso na cabeça, mas entenderiam aquela imagem como algo real.

Sócrates (professor de Platão)  acreditava no “Mundo Sensível” ou “Mundo das Ideias” onde tudo que temos por aqui (Cidades, conjunto de Leis, Pokémon GO) já existia nesse Mundo das Ideias, só que numa versão super ultra hiper mega ultimate PERFECT COOL, my friend .

Sim, eu sei, é complicado pacas. Uma boa referência sobre o Mundo das Ideias e o Mito da Caverna pra você complementar é o filme Matrix.

Eu fiz uma postagem no meu outro blog sobre uma interpretação estilo Sócrates da animação Madagascar. Passem lá e comentem.

MitoDaCavernaPiteco (1)
Clique na imagem para ampliar

Voltando ao assunto, Sócrates conclui que o ideal seria que um dos prisioneiros (cativos) fosse liberto para entender, de fato, o que acontece fora da Caverna, então, ele seria capaz de explicar aos outros as Verdades que acontecem ao seu redor e que todos ignoram.

Você pode encontrar o trecho do livro onde há esse diálogo conhecido como Mito da Caverna na página do Wikipédia clicando aqui.

O bom é que, como se trata de um texto escrito antes de Cristo, Mauricio faz o favor de criar um paralelo com nossa Sociedade refém da TV e das Mídias que…. não sou eu quem vai dizer se elas manipulam ou não, mas que alguns canais são bem tendenciosos, isso sim.

Mais uma vez, Mauricio de Sousa promove uma oportuna discussão interessante. Em outros momentos, podemos ver em suas HQs assuntos (que nem sempre chegam aos ouvidos dos Jovens com a fluidez e a veracidade que deveria) como Espiritismo, Educação dentro e fora de casa, e outros tantos momentos, o cartunista e empresário (que também é membro da Academia Brasileira de Letras) mostra que se preocupa com o conteúdo de suas histórias.

Ah, claro que, aqui e acolá, aparece algo de conteúdo questionável ou que dê margens para coisas como Porra, Mauricio!

Ninguém é perfeito! Se não gosta, faça melhor, seu puto.

A polêmica envolvendo o livro A Marca de uma Lágrima numa escola em Belo Horizonte

CapaAMarcaDeUmaLagrima
Uma das capa do livro

Quando eu era moleque (muitos carnavais atrás) tive contato com um livro muito interessante chamado A Marca de Uma Lágrima do autor Pedro Bandeira, um livro cativante e, apesar de antigo (publicado em 1985), trata de assuntos bem atuais na vida de qualquer adolescente, como Amor, Bullying, amizades (verdadeiras ou não), conflitos internos ,problemas com os Pais e a descoberta da sexualidade.

Bom, ninguém no livro chega a fazer sexo, mas o erotismo velado em muitos dos pensamentos de Isabel estão tirando o sono de alguns pais.

SIM, MAS QUAL É A TRETA?!
Alguns pais de alunos do sétimo ano do ensino fundamental do Colégio Santa Maria (com filiais em BH e região metropolitana) criaram um abaixo-assinado na intenção de tirar o referido livro da grade de livros que farão parte dos estudo dos alunos.

A alegativa dos pais é de que existe um conteúdo erótico que pode  “causar comportamentos irreparáveis, presentes e futuros” e, ainda argumentam que um livro dono de tal conteúdo não condiz com uma escola “reconhecidamente Católica”.

Vejam alguns trechos que podem ser o alvo das críticas dos Pais envolvivos no assunto:

“Não conseguia lembrar-se do primo em meio às pálidas recordações dos garotos de sua infância. Teria sido aquele que se divertia batendo nos menores? Ou seria aquele outro que teimava em tirar sua calcinha? — Quer tirar minha calcinha agora, Cristiano?”

“Não seriam atraentes aqueles pequeninos seios que muito bem poderiam ter servido de fôrma para taças de champanhe? ‘Vem, Cristiano, tomar do meu champanhe… Vem me buscar inteirinha, Cristiano…’”

“Ai, cobra e aranha, aranha e cobra, a aranha quer a cobra, a cobra busca a aranha, a aranha se debate na gaiola de vidro, vai quebrar-se o vidro, já vem vindo a cobra, vem, Cristiano, me abraça, me enlaça, me arregaça, me enleia, tateia, procura, me aperta, me pega, me toma, te amo, sou sua, estou nua, te quero, te pego, te levo comigo, me leva contigo, me faz viver, me faz feliz, me faz mulher!”

Poisé. Como se os Católicos não pensassem em sacanagem.

E SIM, eu fico puto com essas coisas.

Eu até posso entender que, com efeito, tais linhas possam dar uma boa sacudida nos hormônios de um adolescente, mas há muitas outras coisas na História do livro que devem ser levadas em consideração.

Como eu já falei lá em cima, o livro tem, sim ,um conteúdo erotizado, mas sejamos mais construtivos, esse exercício de erotismo da Isabel é um passseio na Disney com tudo pago comparado a outros livros de cabeceira de muitos adolescentes como 50 Tons de Cinza, o próprio Crepúsculo.

O livro também trata de assuntos bastante atuais e de impacto na vida de um adolescente como a insegurança constante em sua vida, seja por ela se achar feia (Isabela enfatiza isso diversas vezes), seja pela ausência de uma família estruturada (mora com a mãe, pais separados), além de bullying, sem falar nos conflitantes sentimentos “do corassaum” que os adolescentes, por algum motivo, priorizam tanto.

Ah, e ainda há uma trama policial ao estilo “Quem matou Odete Roitman?!”.

Enfim, adolescentes  com a idade de Isabel (14 anos, se não me engano) estão descobrindo essas facetas da vida (tudo de uma vez) e um livro assim é uma oportunidade de abordar assuntos tão delicados de uma forma bastante interessante e sem rodeios. E não jogar o livro (e o autor) numa fogueira e fazer uma Santa Inquisição.

Tem gente que não sabe aproveitar uma oportunidade.

UM POUCO DO LIVRO
A história é de Isabel, uma menina que foge aos padrões de beleza (gordinha e de rosto não muito atraente), porém, inteligente e de piadas ácidas na ponta da língua. Isabel vai a uma festa de aniversário e acaba se apaixonando perdidamente pelo primo, Cristiano e este se apaixona por Rosana, amiga de Isabel.

Rosana é gata linda e maravilhosa do cacete, mas é burra feito uma porta.

Nossa heroína descobre que ambos (Cristiano e Rosana) se “amam”, então, para não surtar de amor não correspondido, ajuda a amiga mandando cartas para seu primo assinadas como se fosse a amiga.

Aqui eu não tenho certeza, mas na versão que eu li, há uma informação interessante: Pedro Bandeira teria se baseado, para fazer a personagem Isabel, no personagem Cyrano de Bergerac (de livro homonimo) e

Alias, o Pedro Bandeira até lembra o Cyrano.

Imagem tirada da pagina do Pedro Bandeira no Wikipédia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_Bandeira

Poisé.

Aliás de novo, foi A Marca de Uma Lágrima que me catapultou para os livros versados como o próprio Cyrano de Bergerac, depois indo para Iliada, Odisseia, Os Lusiadas  e o bom e velho Shakespeare.

Quem lê isso, jura que eu sou um tremendo leitor.

Vote contra o patrulhamento ideológico sobre a atividade docente

FONTE ORIGINAL: HISTORIA BLOG
———————————————–

O famigerado Programa Escola sem Partido é amparado numa absurda justificativa de combate à ideologização educacional – como se educação fosse uma atividade desprovida de bases ideológicas – que, contraditoriamente, é amparado em uma perspectiva ideológica.Se diz contra a doutrinação mas prevê a doutrina da mordaça e o tolhimento da autonomia da atividade docente.

Claro que fazer apologia partidária, proselitismo religioso ou militância de movimento político no ambiente escolar e no processo formativo dos jovens é uma postura digna de críticas e certamente é uma prática que deve ser coibida pontualmente, quando ocorrer e quando for devidamente configurada a prática. Mas o que surge com esse “movimento” não é isso e sim uma atuação generalizante de enquadrar ideias e posturas ideológicas que não agradam aos promotores dessa perspectiva. Já há efeitos dessa mentalidade em propostas de criminalização de ideias e, óbvio, de enquadramento de professores.

A censura estúpida apregoada como postura a ser implantada e imposta nas escolas virou proposta de alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) através de um Projeto de Lei do senador Magno Malta que é lastreado por justificativas insustentáveis fora do aspecto meramente opinativo e – obviamente – ideológico e doutrinário do próprio patrocinador da proposta legal. O projeto contém erros crassos como o emprego da ideia ultrapassada de “opção sexual” (aludindo ao fato de que professores podem induzir “opções sexuais”) e do princípio de que a escola deve promover parâmetros morais religiosos sob a incrível alegação de que não há moralidade fora da religião. Pelo projeto escolas e professores estarão sujeitos a um incessante patrulhamento de suas posturas e não apenas de suas atividades por meio “julgamentos” exatamente fundamentados em parâmetros ideológicos, o que é obviamente uma contradição absurda se a alegada proposta de instituir o Programa Escola sem Partido tem como objetivo o “combate à ideologização”.

Na prática a proposta gera um ambiente anti-democrático e limitado para o processo educacional, mas não cumpre a falsa promessa de lidar com a ideologização, uma vez que é claramente ideológico e obscurantista, mas já houve um tempo em que o obscurantismo ideológico vigiava nossas escolas. Não podemos aceitar o retorno disso.

Não podemos impedir que a escola seja um ambiente para a discussão de ideias, para a valorização e respeito ao amplo espectro de diversidades, para a construção de tolerância e convivência construtiva. Esse projeto é o oposto a tudo isso.

Está aberto no site do Sendo uma consulta pública a respeito do PL que visa implantar o obscuro Programa Escola Sem Partido. Temos posição a respeito: CONTRA A INSTAURAÇÃO DA MORDAÇA EDUCACIONAL!

Clique aqui e participe da consulta pública.

Visite o Egito de Ramsés II com o Livro Guia do Viajante pelo Mundo Antigo – Egito


Essa postagem foi feita no Celular, pois estou de Férias (sim, eu também sou filho de  Deus) e meu acesso a uma Net decente se mostra um tanto traumático. Então, desculpem qualquer erro d formatação e coisas do gênero.

Situado na região norte da África, o Egito é um lugar onde o cidadão terá muita coisa para ver e aprender. Beleza naturais e arquitetônicas, histórias de Grandes Civilizações e Reinados milenares, além de uma fina e evidente conexão com o Fantástico e Misterioso.

Enfim, o Egito que Herodoto chamou de dádiva do Nilo.

Este é o Egito que muitos de nossa Época gostariam de conhecer, mas isso só é possível (ainda assim em parte) com muita pesquisa ou com Filmes e Séries. Os livros (de caráter acadêmico ou romanceado) se posicionam de forma muito discreta sobre os pormenores e rotineiras da Terra do Hórus Vivo, ao passo que os Filmes e Séries sempre acabam pecando em um ou outro ponto.

Nem que seja no fenótipo dos Atores, o que é sempre alvo de crítica.

E olha que eu não sou tão exigente assim.

Bom, eu recomendo o livro Guia do Viajante Pelo Mundo Antigo – Egito, (Editora Ciranda Cultural), caso você queira conhecer, não apenas Histórias dos Deuses egípcios e sobre seus Faraós e Templos que desafiam o próprio Tempo, mas também quer um pouco do pitoresco cotidiano do Egito, como as roupas, como usavam seu rico dinheirinho, a posição da Mulher (socialmente falando) ou como comprar um Camelo.

Sério, nunca se sabe quando um camelo será necessário na vida, então é bom ficar atento.

Uma das páginas do livro, sobre a fauna local

A proposta do livro é das mais interessantes: Ambientar o Leitor (como ocorre com catálogos ou guias de visitação turística) a uma época do Egito quando governado por ninguém menos do que Ramsés Usermaatra-Setepenra.

Ramsés II, para os mais chegados. Aqui adotam o nome do faraó com todas as Titulações.

O livro tem 160 páginas e é muito bem produzido. Capa dura com o título e imagens em relevo cavado na página (como um hieróglifo). O papel tem uma textura diferente, dando ao leitor uma maior ideia de que ele está com um documento de longa data.

Os desenhos das paisagens disponíveis ao Leitor / Visitante são simples, mas cativantes e atendem bem na intenção de ilustrar a rotina do lugar (cabeçalhos e rodapés têm belos detalhes).

O Leitor ainda recebe indicações sobre a Cultura Religiosa da região, além de informações sobre o “atual” reinado de Ramsés II, além de informações importantes para qualquer Turista como Qual o melhor tipo de Barco para velejar, O que fazer quando chegar na Cidade, Os Festivais e Esportes, o Prostíbulo mais próximo…

… Sim, entretenimento adulto é importante e quem não gosta de um chamego?

Uma das páginas sobre o livro, com indicações literárias

O Guia do Viajante pelo Mundo Antigo também oferece uma boa bagagem informativa sobre as Cheias do Nilo, Os Templos e o Cenário Político (e sua influencia na Geografia do Egito), além de apresentar algumas coisas sobre as Leis e os Crimes.

No ultimo capítulo, uma mão na roda do Leitor moderno: Hieróglifos úteis, frases usadas na rotina das Duas Terras, além de Livros e sites recomendados. Tudo isso numa linguagem tranquila e de fácil compreensão com poucas páginas.

Se você já leu Game of Thrones de trás pra frente, não terá desculpas com este aqui.

Uma postagem leve, rápida e, certamente, vai ser útil, como o livro Guia do Viajante pelo Mundo Antigo, Editora Ciranda Cutural.

Arqueologia, História (crítica e vista por baixo), mitologia, atualidades, filosofia e patifarias.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 299 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: